14 de jan de 2013

"Estou aqui"

Dizer que se está lá, mas depois não se está é mau para quem está à espera de quem vai estar mas depois não está. Dizer da boca para fora "estou aqui", magoa quando se percebe que o estar aqui não passou de um docinho como quando o cão faz um truque porreiro e depois lhe estendemos a goluseima que ele tanto anseia.

Dizer "estou aqui" envolve muito mais que uma presença física. Não basta saber que a pessoa está ali ao lado, porque se assim fosse qualquer, manequim serviria para o efeito. Quem diz manequim, pode dizer um calhau, um peluche, um vibrador, qualquer material inerte seria suficiente para estar lá.

Para se dizer "estou aqui", quem o diz tem de querer mesmo estar lá, de corpo obviamente mas também de espírito. Focar os seus sentimentos para com a pessoa que está ali ao seu lado, concentrar-se nela, fazer com que ela sinta que é mesmo ali que se quer estar. Porque caso contrário estamos a enganar quem está ali connosco, porque fazemos apenas figura de corpo presente e de facto preferíamos estar noutro local.

De que serve alguém dizer que está ali quando na sua cabeça apenas se imaginam cenários nos quais não se encontram e apenas se focam noutros assuntos e ou pessoas, em vez do que realmente está a acontecer naquele momento?

É errado dizer "estou aqui" quando essa pessoa sabe que não vai estar, que não esteve lá e que possivelmente nunca vai estar, porque não se permite a tal. E basicamente tudo se resume a algo muito simples, ou se quer, ou não se quer.

4 comentários:

S.o.l. disse...

Resume-se também à sinceridade. Não só com a outra pessoa, mas com ela própria que por vezes também se engana ao achar que vai estar ali.

Mam'Zelle Moustache disse...

inerte, inerte... é como quem diz. (falando do vibrador)

A. disse...

Se não formos sinceros com nós próprios, seremos com quem? É mais ou menos isso não é?

A. disse...

Se for sem pilhas, por exemplo. É inerte :-D
Muito boa essa :)