13 de ago de 2014

Sou assim

Arranco na potência máxima e desde logo começo a deixar o rasto dos pneus a derrapar, primeira, segunda, terceira, sempre no limite, sempre em redline. Sem dó nem piedade o que tiver para dar dou, não quero saber, quinta, sexta...e aí vou eu.

Os travões são um acessório, não preciso, não quero, não me interessa...por mim é prego a fundo. Não tenho medo das curvas, das descidas, dos saltos, das subidas, das lombas, nada disso me interessa. É assim que sinto, é assim que vou. Sempre a fundo, até ao fim, seja ele onde for, e se não houver fim então é sinal que valeu a pena...

Nisto do gostar, do amar, do querer, do sentir, sou assim. Não tenho travões, não consigo, sigo sempre sem medo, não me interessa se há muitas curvas ou não, vou sempre a fundo, prego a fundo...

2 comentários:

Anônimo disse...

Sabes Muito.... :)

A. disse...

Sim, um poço de sabedoria eu! :)