21 de nov de 2012

Deixar de acreditar

O pior é quando deixamos de acreditar no amor. Não há um dia nem local certos, não há uma idade própria, não depende da raça. É uma decisão que é tomada. Chega aquele dia, hora e decide-se que o amor deixou existir. As teias que antes nos prendiam numa cegueira constante quebram-se, o chão que antes não era certo repente fica estável, a partir daí somos só nós sem o amor. Porque já não o queremos, porque já somos fortes e crescidos o suficiente para conseguir viver sem ele, o que antes nos ajudava a iluminar o caminho faz agora parte das trevas, do sotão a que ninguém quer e que todos têm medo entrar sozinhos. Vamos buscar o passado para nos ajudar a tomar essa decisão, reforça-mo-la com o presente e deixamos que o futuro nos traga algo para voltar a acreditar no amor. Acaba-se o sorriso especial para aquela pessoa, o abraço que tanta força nos transmitia é uma fugaz memória, as horas já avançam a ritmo normal, os dias voltam a ser longos. Tudo porque escolhemos dizer que não ao amor. Esse mal que nos atormentou durante anos a fio já não faz parte de nós, agora somos mais fortes, mais independentes, mais tudo, porque a única fraqueza que existia foi apagada como pegadas à beira mar. As poucas memórias boas que existiam sobre tal coisa são rapidamente substituídas pelas más e mesmo que assim não fosse fazemos possíveis para que assim seja, não queremos mais nada com ele, NADA. Agora já existe um mundo nosso para o qual podemos viver, só e para, só nos preocupamos com o que queremos, quando queremos e da forma que queremos, não temos que justificar nada, o mundo é nosso e passamos a  Deus. Não há justificações, não há zangas, não há momentos incómodos, não há obrigações, não há queixas, não há fraquezas, não há razão a dar, não há falhas, não há ciúmes, não há dores de cabeça, porque só há aquilo que queremos e assim é tão fácil como somar dois mais dois, queremos apenas e só o EU.

Mas o pior é quando o amor aparece à nossa frente, grande como uma montanha, brilhante como uma estrela, forte como um furacão e nos dá um estalo dizendo: Estou Aqui...

6 comentários:

Me disse...

E depois é preciso que haja uma adaptação, uma renovação, uma aprendizagem. E isso nem sempre corre bem. Demora. Custa. Faz doer a quem ama e a quem é amado.
E nunca "é o pior" quando o amor aparece. Isso é o melhor!

A. disse...

Basta querer.

Isso de "o pior" depende da perspectiva.

Mam'Zelle Moustache disse...

Ui... essa do "depende da perspectiva" é lixado... Sei do que falo ;)

A. disse...

Sim, por exemplo há os que fogem :-)

Mam'Zelle Moustache disse...

;p

A. disse...

;)